Volta a Portugal: António Barbio foge para a vitória, Alarcón mantém amarela

Este foi um sábado pleno para a equipa lusa Efapel na 79ª Volta a Portugal Santander Totta. Depois de anunciar a continuidade do patrocínio por mais três anos na estrada, a esquadra viu António Barbio levar a fuga ao êxito da vitória no alto da Nossa Senhora da Assunção. Em Santo Tirso, Raúl Alarcón (W52-FC Porto) foi 5º, mantendo a liderança da camisola amarela.

Em fuga desde os quilómetros iniciais da sétima etapa, António Barbio atacou à falta de 18 km, fugindo aos companheiros de aventura para a conquista da primeira etapa da sua carreira na Volta a Portugal. À RTP, o vencedor e mais combativo do dia disse: “Acho que ainda não caí em mim. Procurava uma vitória há dois anos, nunca esperava que ela aparecesse na Volta a Portugal. Fico feliz por ser uma vitória esperada pela Efapel, não da minha parte mas dos meus colegas. Sempre que tentámos, batemos na trave, mas desta vez a fuga deu-se e, felizmente, consegui ganhar.”


António Barbio acrescentou: “Nunca esperei ganhar numa chegada em alto, mesmo vindo de uma fuga. Entrei com cerca de 30 segundos para o grupo que vinha a perseguir e depois foi sempre a andar, sempre a olhar para a frente. A partir do momento que o carro da minha equipa veio para trás de mim, percebi que estava com alguma vantagem e agora só quero agradecer aqui ao Rafael Silva…”, interrompendo para abraçar emocionado o companheiro de equipa, fazendo lembrar o final da Volta a Portugal do Futuro de 2012, quando Rafael ganhou no alto e a camisola amarela, ficando Barbio em segundo na geral, estando ambos nesse ano a correr em equipas diferentes.

Concluiu António Barbio à RTP: “Se calhar estávamos com a fasquia muito alta. O ano passado ganhámos a primeira e a última etapa, este ano batemos na trave várias vezes e não conseguimos. Tudo devo aos meus colegas, são aquelas pessoas que me dão mais na cabeça, porque querem que eu aprenda. Só tenho 23 anos e esta vitória é para eles e para quem me apoia.”

Raúl Alarcón mostrou-se tranquilo em mais um dia de camisola amarela, dizendo à RTP: “Temos que ir dia-a-dia. Amanhã pode ser um dia complicado, temos que estar atentos. É muito bom ter outros companheiros para o que possa suceder. O Gustavo está muito bem, hoje conseguiu bonificar e eu chegar com eles e não perder tempo. Estou tranquilo, estou a desfrutar muito, apesar de que também se sofre.”
 
António Barbio conquista a primeira etapa da carreira na Volta (© João Fonseca / Volta a Portugal)

Depois do dia de descanso chegou a sétima etapa, que ligou em 161,9 km Lousada ao alto do Santuário da Nossa Senhora da Assunção, em Santo Tirso. Antes da chegada de 2ª categoria, o pelotão subiu a Serra de Campelos (4ª cat. km 102,2).

Os primeiros quilómetros viram surgir diversos ataques e o abandono de Frederico Figueiredo (Sporting-Tavira), que depois de fazer frente às dores no corpo massacrado pelo asfalto, disse adeus à Volta após o dia de descanso.

A fuga conseguiu abrir espaço com 14 corredores, chegando a superar os 4 minutos de vantagem. Depois de anunciar o adeus ao ciclismo profissional e vencer a etapa anterior, Rui Sousa (RP-Boavista) entrou na aventura do dia com o líder da montanha João Matias (LA Alumínios-Metalusa-BlackJack), Ricardo Mestre (W52-FC Porto), António Barbio e Jesús del Pino (Efapel), David de la Fuente (Louletano-Hospital de Loulé), Ian Bibby (JLT Condor), Benjamin Perry (Israel Cycling Academy), Philip Lavery (H&R Block), Jasper Hamelink (Metec-TKH Cyclingteam p/b Mantel), Antonino Parrinello (GM Europa Ovini), Patrick Schelling (Team Vorarlberg), Moritz Backofen (Team Dauner) e Oscar Rodríguez (Euskadi-Murias), que já liderou a juventude nas primeiras etapas.

Sem nenhum elemento na fuga, Sporting-Tavira foi a primeira equipa a impor o ritmo no pelotão, assumindo posteriormente o comando a armada W52-FC Porto do camisola amarela Alarcón.

Na subida de 6,3 km de extensão da Serra de Campelos, João Matias reforçou a liderança da camisola azul ao passar em primeiro no alto. Uns quilómetros mais à frente Jasper Hamelink sentiu o asfalto, ao sofrer uma queda.

À falta de 49 km para o final surgiu o ataque do irlandês Philip Lavery e posteriormente de António Barbio, sendo ambos alcançados pelos companheiros de fuga, à excepção de Rui Sousa, Ricardo Mestre e Óscar Rodríguez, trio que viria a ser alcançado pelo pelotão na aproximação à subida final.

Restando 30 km para a meta, e sem a presença de Rui Sousa na frente, a W52-FC Porto abrandou o ritmo da perseguição, subindo a vantagem da fuga para perto dos 5 minutos à passagem por Valongo, terra de ciclismo com muito público a aplaudir a passagem do pelotão.

Com dois homens na fuga e depois de estar muito perto da vitória em duas etapas com Daniel Mestre, a Efapel apostou tudo na fuga com António Barbio a lançar novo ataque à falta de 18 km. Alguns dos companheiros de fuga ainda tentaram responder, mas sem êxito.

Barbio iniciou a subida final de 6,6 km com cerca de 3 minutos para o pelotão e o grupo dos companheiros de fuga nos seus calcanhares. À média de 6,1% de pendente, superou a subida de N. Sra. da Assunção, erguendo os braços para a primeira vitória da Efapel na 79ª edição da Volta.

Lá atrás, os restantes elementos da fuga foram alcançados pelo grupo reduzido do camisola amarela, onde se sucederam ataques, entre eles de Hugo Sancho e César Fonte (LA Alumínios-Metalusa-BlackJack). Mas os candidatos à amarela não deram liberdade a ninguém, lutando entre si pelas bonificações na meta e chegando a 1 minuto e 7 segundos.

Gustavo Veloso (W52-FC Porto) mostra-se em crescendo de etapa para etapa, terminando hoje em 2º na meta e subindo a 4º na geral, seguido de Vicente de Mateos (Louletano-Hospital de Loulé), que subiu a 3º, e Rinaldo Nocentini (Sporting-Tavira), que se manteve em 2º. Amaro Antunes (W52-FC Porto) cruzou a linha em 7º, descendo para 5º na geral.

Raúl Alarcón cruzou a meta em 5º, mantendo a liderança da camisola amarela e do combinado. Vicente de Mateos (Louletano-Hospital de Loulé) manteve o comando na classificação por pontos, Krists Neilands (Israel Cycling Academy) na juventude, João Matias (LA Alumínios-Metalusa-BlackJack) na montanha e a W52-FC Porto a liderança por equipas.

Amanhã, a oitava etapa disputa-se entre Gondomar e Oliveira de Azeméis, num total de 159,8 km.

Resultados Et7 [resultados completos]
1º António Barbio (Por) Efapel 4:06:01
2º Gustavo Veloso (Esp) W52-FC Porto +1:07s
3º Vicente de Mateos (Esp) Louletano-Hospital de Loulé +1:07s
4º Rinaldo Nocentini (Ita) Sporting-Tavira +1:07s
5º Raúl Alarcón (Esp) W52-FC Porto +1:07s
6º João Benta (Por) RP-Boavista +1:11s
7º Amaro Antunes (Por) W52-FC Porto +1:11s
8º Marco Tizza (Ita) GM Europa Ovini +1:15s
9º Davide Rebellin (Ita) Kuwait-Cartucho.es +1:15s
10º Krists Neilands (Lat) Israel Cycling Academy +1:15s

Classificação Geral
1º Raúl Alarcón (Esp) W52-FC Porto 32:16:30
2º Rinaldo Nocentini (Ita) Sporting-Tavira +24s
3º Vicente de Mateos (Esp) Louletano-Hospital de Loulé +30s
4º Gustavo Veloso (Esp) W52-FC Porto +33s
5º Amaro Antunes (Por) W52-FC Porto +34s
6º João Benta (Por) RP-Boavista +1:32s
7º António Carvalho (Por) W52-FC Porto +1:50s
8º Henrique Casimiro (Por) Efapel +2:00s
9º Sérgio Paulinho (Por) Efapel +2:00s
10º Alejandro Marque (Esp) Sporting-Tavira +2:08s
11º Daniel Mestre (Por) Efapel +3:32s
12º Hugo Sancho (Por) LA Alumínios-Metalusa-BlackJack +4:08s
13º Mikel Bizkarra (Esp) Euskadi-Murias +4:27s
14º Krists Neilands (Lat) Israel Cycling Academy +7:02s
15º Patrick Schelling (Sui) Team Vorarlberg +7:34s
16º César Fonte (Por) LA Alumínios-Metalusa-BlackJack +7:41s
17º Ricardo Mestre (Por) W52-FC Porto +8:07s
18º Bruno Silva (Por) Efapel +8:45s
19º Luís Gomes (Por) RP-Boavista +8:52s
20º Rui Sousa (Por) RP-Boavista +10:18s
 ______
Ver também:

Sem comentários:

Enviar um comentário